NOBEL DE MEDICINA É CATEGÓRICO: JEJUM É MUITO MELHOR DO QUE COMER A CADA 3 HORAS

A alimentação restrita é capaz até de regenerar células ruins.

Parece que o jogo virou. Especialistas do mundo inteiro estão indo na contramão da crença popular de que comer de 3 em 3 horas é a melhor forma de se alimentar.

O jejum quando acompanhado por um profissional, está ganhando destaque entre as dietas saudáveis, como falamos nesse texto (inclusive a Bela Gil aprova).

Mark Mattson, chefe do Laboratório de Neurociência do Instituto Nacional de Envelhecimento e professor na Universidade Johns Hopkins, foi além e revelou em uma das palestras do TEDx que, além de não prejudicar nossa saúde, passar longos períodos sem comer pode trazer benefícios gigantescos ao nosso cérebro!

giphy-1

De acordo com o especialista, os benefícios do jejum podem ser comparados aos benefícios que a prática de atividades físicas traz ao corpo humano.

As diversas pesquisas realizadas por Mattson e sua equipe apontaram que a restrição alimentar e calórica aumenta a produção de fatores neurotróficos que promovem o crescimento de neurônios, melhorando a conexão entre eles e dando mais força para as sinapses.

Quando você está com fome e não se alimenta, o cérebro meio que entra em um estado de alerta, fica mais ativo e começa a desencadear reações para se adaptar a essa realidade. Basicamente é a mesma coisa que acontece aos animais quando passam longas horas ou até dias em jejum atrás da caça – afinal, somos animais também.

Uma dessas reações de adaptação feitas pelo cérebro humano no período de jejum é o aumento da produção de mitocôndrias nos neurônios. Essa alteração faz com que a habilidade dos neurônios de se conectarem também aumente, o que acaba promovendo uma melhor absorção de informações, favorecendo o aprendizado e a memória, revela Mattson.

Além disso, a prática dessa dieta, segundo este estudo publicado no site científico The American Journal of Clinical Nutrition, está associada à redução de doenças cardiovasculares, câncer e ainda no tratamento de diabetes.

E mais, de acordo com o especialista, estudos feitos pela Universidade do Sul da Califórnia constataram que o jejum, além de proteger nosso sistema imune, ainda é capaz de regenerá-lo.

No período que passamos sem nos alimentar, nosso corpo começa a poupar energia e assim, ele acaba “matando” algumas células imunes velhas que não estão mais trabalhando corretamente. Depois de tirar todas do nosso organismo, quando a gente se alimenta novamente, cria-se novas células imunes, novinhas em folha.

Ou seja, o jejum acaba fazendo uma “faxina celular” no organismo, jogando as velhas fora e criando, a partir das células tronco, novas células, prontinhas para turbinar o funcionamento do nosso corpo, capazes até de reparar nosso DNA.

BCL Nutrition, https://www.bslnutrition.com/intermittent-fasting-weight-loss-tool/BCL Nutrition

De acordo com o neurocientista, todas essas alterações no nosso organismo e cérebro são capazes de prolongar nossa vida e ainda retardar ou evitar o aparecimento de doenças degenerativas, como o Alzheimeir e o Parkinson, por exemplo.

“Desafios para o cérebro, seja por jejum intermitente ou exercício vigoroso… é um desafio cognitivo. Quando isso acontece circuitos neurais são ativados, níveis de fatores neurotróficos aumentam, e isso promove o crescimento de neurônios e a formação e fortalecimento das sinapses. Nós não poderíamos prever que o jejum prolongado poderia ter um efeito tão impressionante na promoção de regeneração baseada em célula tronco” – revelou Mark Mattson.

Se são tantos benefícios, por que parece tão errado ficar sem comer?

Antes de tudo, é preciso deixar bem claro que a prática dessa dieta e todos os benefícios que ela pode trazer a nossa saúde só são reais quando tudo é feito com acompanhamento profissional. Parar de comer sem a orientação de um nutricionista pode levar a uma defasagem de vitaminas e o que era para te fazer bem, pode tomar proporções terríveis para sua saúde.

Existem várias formas de seguir essa restrição alimentar, como o modelo “5 por 2”, que consiste em fazer o jejum por algumas horas durante dois dias da semana e nos outros cinco dias, comer normalmente. E de fato, não é necessário passar 24 horas completamente em jejum.

Conforme explicamos neste texto, especialistas sugerem reservar algumas horas do dia, preferencialmente a noite, por exemplo, não se alimentar das 7 da noite até as 7 da manhã.

Pode parecer bastante difícil, mas, conforme o neurocientista explicou em sua palestra, esse é um novo “hábito” que deve ser inserido na sua rotina aos poucos. Com o tempo fica fácil nos adaptarmos ao jejum.



Mas então, por qual motivo essa história de comer de 3 em 3 horas é tão difundida?

O neurocientista tem a resposta na ponta da língua: é bom para os negócios!

De acordo com Mattson, tanto a indústria farmacêutica quanto a alimentícia não pouparam esforços para difundir essa informação. Conforme aponta o especialista, se todos soubessem dos reais benefícios de passar algumas horas sem se alimentar, toda a grana que gira em torno da nossa alimentação sofreria grandes alterações. Ou seja, poderosos perderiam dinheiro. Muito dinheiro.

Imagine se as pessoas que sofrem com essas doenças citadas, como as cardiovasculares, diabetes ou doenças degenerativas, tomassem conhecimento de que uma mudança na rotina de alimentação pode tratar todos os males. Certamente elas iriam menos à farmácia, logo a indústria farmacêutica perderia dinheiro.

Sem contar que esse esquema “Tele-Sena” (comer de 3 em 3 horas), faz com que o consumo de comidinhas rápidas (barrinhas, lanchinhos e afins) aumente significativamente. Sem esse sistema, a indústria alimentícia perderia uma boa parcela do mercado.

Diversos especialistas questionam a validade das pesquisas científicas financiadas justamente por essas indústrias. Inclusive em sua palestra (veja o vídeo ao final desse artigo) Mark Mattson diz que os resultados sobre os benefícios da alimentação de 3 em 3 horas estão nessa lista de estudos duvidosos. O documentário “What The Health“, disponível na Netflix, detalha como esse financiamento funciona – vale assistir!

Além deste estudo, publicado no site científico NBCI, ter revelado que realmente comer a cada três horas não favorece nosso metabolismo e pode até favorecer o aumento do peso, Yoshinori Ohsumi, biologista celular e Nobel de Medicina em 2016, também constatou que o jejum é um arma poderosa à favor da saúde.

inygy, http://www.lnygy.com/article/chickendinner.htmlinygy

– Yoshinori Ohsumi, Nobel de Medicina em 2016

Neste estudo, feito por Ohsumi, foi comprovado a renovação celular e os benefícios diversos da dieta restritiva, já citados por Mattson em sua palestra ao TEDx.

Chamando essa reação de “Autofagia”, o estudo feito pelo ganhador do Nobel de Medicina criou grande polêmica ao comprovar que ficar um tempo sem comer elimina as células ruins do organismo e posteriormente cria células novas, mais eficazes para o bom funcionamento do nosso corpo, além de ser eficaz no combate dos malefícios do envelhecimento e na cura de doenças degenerativas.

Ou seja, não faltam estudos e especialistas renomados apoiando o jejum como uma poderosa ferramenta para nossa saúde. Se ficou com vontade de começar esse novo “desafio”, é preciso ser responsável. Em hipótese alguma pare de comer sem a supervisão de um nutricionista.

Anúncios

A beleza acaba

caveira

 

No fim, somos todos iguais, todos sem cor, sem cabelo, sem beldades, sem virtudes, todos no fim, são iguais.

Bob Marley

persistenciaPare de reclamar da vida e faça algo para mudar, mova-se, saia do canto, ficar parado é para os fracos, os fortes vão à luta.

O ento ai e olta

Akhil gandalf.jpg

Tudo que vai, um dia volta
Um sentido da vida
uma reviravolta
que se passa despercebida

Vejo um luar crescente
Um mar tenebroso
um velho sorridente
Um café gostoso

Da felicidade eu quero só o Feliz
Deixa idade de lado, porque não é importante
Se eu pudesse apagar os erros da vida com um giz
A vida seria nada mais que uma amante

Porque dos erros que fiz e escolhi
Me fazem do homem que hoje me tornei
Ganhei com meus erros apesar do que sofri
Hoje expresso Natiruts: “Sorri, Sou Rei”

5 minutos atrás eu era uma pessoa
Agora sou diferente, como o relógio que muda
Os ventos nos trazem escolhas e não me zoa
Porque tenho muito que fazer ainda nesta labuta!
(Mago de Marte)

Bilhete

fdas.jpg

Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda…

Mario Quintana

O mudo da Rua Emille

fino

1886, dia turvo, trigésimo terceiro dia sem sol, apenas alguns relances de luz abaixo dos céus, desenhando inúmeras artes contemporâneas nas nuvens. Era uma semana comum, em uma cidadela comum, com personagens e caricaturas bem comuns. Havia um rapaz singelo, pequeno, com roupas rasgadas nas extremidades, como se fosse algo feito a mão, de forma precisa e espontânea, aquele rapaz estava lá, escorado na esquina da Rua Emille, encontro com o beco de WinterSale, ele estava lá, isso eu tinha certeza.

Era pouco menos do que anoitecer, e pouco mais do alvorecer, havia um festival naquele dia sem sol, com relances de luz, percebi que havia chovido, ou estava chovendo ainda, não me lembro ao certo, o álcool em meu sangue já duvidava de minhas conclusões, mas ele estava lá, isso eu tinha certeza.

Diziam que na cidade, existiam pessoas que não eram muito sociáveis, lembramos desses comentários ao deparar com o rapaz na esquina do beco, sempre calado, dominador de uma quietude suprema, e ao conversar com alguns colegas e amigos no recinto do festival, pudemos perceber que entre um gole e outro, estava eu ficando mais sóbrio, o que era totalmente improvável naquele momento e ele continuava lá, isso eu tinha certeza.

Com aquela suspeita de estar sendo sempre observado, e analisando todos meus pensamentos, e tentando chegar as conclusões que estavam pairando sobre minha mente, resolvi levantar e ir até o suposto rapaz, quando percebi que o mesmo também se movimentou, estávamos a poucos metros um do outro, isso também tinha certeza.

Ao decorrer do caminho, minha turva visão decorrida de minha alteração sanguínea proveniente de supostos copos de bebidas alcoólicas que ingeri ininterruptamente durante a noite, fui ao seu encontro e fui surpreendido com uma pancada na parte da frente da cabeça, caí ao chão.

Demorei alguns momentos para entender o que ocorrera, ao perceber o sangue descendo em minha sobrancelha, dei-me conta de que teria machucado. Mas a pancada abriu um pequeno espaço em minha janela de sobriedade e pude perceber que era um espelho, um grande espelho, e, não existia suposto rapaz, era eu o tempo todo encarando meu reflexo naquele espelho turvo, e isso eu não tinha certeza.

Tudo ficou mais claro quando me soltaram da cadeia logo cedo, por não terem motivo de deixarem preso um bêbado, maluco, que supostamente brigou com seu reflexo. Ao meu ver eu converso até demais, mas ao acordar na sobriedade, lembro que certas coisas não estão permitidas ao nosso consentimento, e escuto aquela voz perto do corredor: “Veja, é o mudinho da Rua Emille denovo, podem soltar ele.”

Cultivando a vida

 

vida.jpeg

Certa vez Cury disse: “As grandes idéias surgem da observação dos pequenos detalhes.” Pensando por esse raciocínio, temos que certas escolhas são decorrência da ausência de observação. Quando nos culpamos por algo que deu errado, foi porque escolhemos errado desde o princípio ou pior, deixamos de escolher alguma coisa.

A relevância aos fatos que definem nossos caminhos são tão eloquentes quanto uma pintura de Van Gogh. Precisamos viver de forma vibrante, com cores dramáticas, pincelando a vida impulsivamente.

O seu caráter é construído baseado nas escolhas que faz durante os primeiros anos de vida, até alcançar a maioridade. Creio que até a maioridade você já tenha uma capacidade bastante justa e lógica de interpretação, o que faz jus a suas ações. E isso determina seu caráter.

E o caráter determina metas, almeja um sentido maior na vida, deixa a vida objetiva. Faça da sua vida um objetivo de vida. Viva como se este objetivo fosse sua razão de existir, agarre-se na felicidade, na persistência e na fé e, assim, você fará tudo que tenhas vontade.