Rap do Teclado(horas vagas)

Imagem

Dois, 3 quadro é o Rap do Teclado
quatro, cinco e Seis
Eu vou cantar pra vocês.

Havia um senhor, meio doutor, trabalhador
Que vivia do suor, daquele menor ouvindo belchior,

Tum tum tá, tum tum tá
Esta é a batida que não é do Pará
Mas esbarro no sinal e ouço: “O quê rapá?!”
Blá blá blá etc e tal mas deixa como está!

Ser e estar, eis a diferença
Valores e amores relativos a crença
Verdades e mentiras e até uma bença
Aos olhos de quem não vê, acredita e descrença.

Mas a vida é muito boa, doa, doa o que doer
Vim pra fazer diferença, vim pra renascer
Às vezes VIVO sem medo de morrer
Mas Sem amor de Deus o que vai prevalecer?

Doa doa.. doa a quem doer…
Fiz a minha escolha e vá se fuder.

Autoria: Mim, eu mesmo e Eu.

Desce a Letra

ImagemHoje eu percebi (não que eu já não tivesse percebido antes) que quase tudo que desejo é fútil. Veja bem, desejo ser o campeão de DOTA 2(um jogo fútil, mas muito bom), mas no mesmo momento quero ser polícia Federal, Auditor Fiscal, Astronauta, bilíngue, viajar pelo mundo, um historiador, um Ator pornô, um viajante do tempo, GOKU, Super man, o homem invisível, advogado, Juiz ou Policia Rodoviária Federal, e quando não penso em nada demais, me dá vontade ser Bombeiro, aí lembro do TAF que segue o militarismo, como ODEIO o militarismo, já descarto esta hipótese, ai  vejo as contas do mês apertando, tudo ficando caro novamente, ai esqueço do militarismo. Aí assisto um filme de ação, ai pretendo ser Ator, mas depois percebo que pra ser ator, tem que estudar teatro, teatro tem muitos artistas, mas dá muito viado também, eu não sou fã de viado, não que eu tenho algo contra, muito pelo contrário, respeito totalmente, mas prefiro mulheres em bando na minha cia. Aí percebo que o filme acabou, vou ver a vida do ator no Wikipédia, vejo que ele é um drogado, bilionário mas drogado, passou por 4 divórcios não tem mais onde enfiar o dinheiro(alguns socam até no C*), ai vejo que dinheiro não trás toda a felicidade, mas compra a maioria dela.Imagem

Tenho que tomar banho pra ir trabalhar, tenho que acordar cedo(odeio acordar cedo), ai tento dormir até mais tarde(odeio acordar TARDE!! PQP!!!), ai fico puto da vida, e vejo todos os meus colegas dando bem na vida, ai vou almoçar. Estou fazendo dieta(dieta da massa, tudo é MASSA eu como!) aí quando percebo comi mais que o normal, 1 quilo e 200 gramas numa segunda feira, ai fico querendo emagrecer, mas não paro de comer. OBS: não estou gordo, só estou com aquele lobozinho de cerveja, pequeno, mas notável). Começo a fazer exercício em casa, ai não é suficiente, a vida do vizinho sempre é mais verde, isso é verdade, porque o vizinho fez escolhas diferentes na vida, tudo é mil e uma maravilhas, a família apoia, os irmãos apoiam, mas quando isso NÃO acontece com você, você é vagabundo, você é o preguiçoso, você tenta passar na porra de um concurso, mas tem que dividir seu tempo em salário pequeno, trabalho, afazeres de casa, mas VC continua sendo o vagabundo, você é o que trabalha desde os 15 anos, tudo que você tem, TUDO que tem foi você que construiu sozinho, Mas ninguém vê esse lado, nunca veem este lado, você continua sendo o vagabundo, mas o irmão que só estudou a vida inteira, é o “esforçado”, nunca pegou em um trabalho na vida, mas é o “esforçado”. Mas você é o vagabundo. O zé ruela da vida.

A verdade é que NINGUÉM falou nada, isso é TUDO coisa da minha cabeça, porque sou o problemático, o rapaz viciado em festa, viciado em computador. Ai começo a namorar, a menina me trai, e eu sou o cafajeste, o que não liga, o que não importa, mas o Termo “corno” fica sumido, então não namoro fácil mais, ai eu sou o difícil, o metido, o que “escolhe demais”. Quando você começa a fazer algo bacana, ou acha que está fazendo algo bom, você sempre recebe os mesmos comentários doces: – Você é burro cara, vc tem que se fuder.”, “Você não é ninguém”. E quando a Tireoide começa a falhar e a falta do hormônio bate na cabeça, como que faz com  uma situação dessas? Quando vem tudo à tona?

Conto pra algum amigo um fato que aconteceu no serviço, ai ele é parente de alguém de dentro, ai eu sou o fofoqueiro, o metido, o gordinho. Mas o fofoqueiro foi o cara, o que não guarda segredo foi o ciclano, O fato distorce o que era Crocodilo vira “Cocô de Grilo” do fulano, mas a culpa tarde sobre a cabeça do menor.

Ai viajo pra um caldas country, gasto rios de dinheiro, não da nada certo, não pego ninguém, ai às que chegam em você já beijou 14, ai você recusa e fica com impressão de Gay, de fresco, Mas ninguém vê que por eu querer escolher entre uma de beijou 14 e uma que não beijou ninguém, eu sou o fresco escolhedor. Ai na virada do ano não tenho férias, não consigo ganhar alguns dias, ai passo a virada numa festa boa, muito boa por sinal, me ocupei com algumas futuras esposas, mas sem a “perspectiva” de 2014 chegando. Ai penso que o ano será diferente, que as pessoas vão mudar, mas quando chego aos lugares, às mesmas pessoas continuam interesseiras, as mesmas pessoas continuam falsas, as mesmas pessoas continuam sendo mesmas. Acho que vou mudar de lugar já que de mundo é difícil.

Mas você que mudou é o diferente, é o que não se “adapta” a nada. É o perigo iminente. Ai você sai, chuta o pau da barraca, manda o mundo se fuder, e segue seus princípios, porque uma vida de merda acumulada à 25 anos de muito desgosto, raiva e angústia não é nada comparado com uma explosão atômica. Mas você continua sendo o diferente, o perigo iminente, só que agora com consciência disso. Mas como eu disse antes, é tudo coisa da minha cabeça, devo estar delirando. Apenas desci a letra.

TUDO Religioso!

Imagem
Pelo milésimo segundo
Enquanto tanto quanto vem em prantos
A veracidade escrita como “vericidade
Brota pela bota que topa a sombra da cidade.

Alguma vez lhe disse a verdade
A verdadeira vontade de ver o óbvio.
O inimigo do homem aranha, octopus.
A teia tecida no teto de meia idade.

“Entonces” usei francês
“Aloe vera” era trela de bom dia
Há anos não escuto a palavra “cotia”
E o pão do padeiro padece em Pedro, o freguês!

“Altas madrugadas, e eu aqui sem sono”
Música, melodia, melancolia com cheiro de morango
E Romeu roubou rapidamente coração de Julieta.
“Aqui jaz Romeu”, Julieta viveu o amor sem fim.

E o céu arranha o mel que toca pelos Anjos.
Da classe mediana, de todos um Serafim.

Nota

Imagem

A vida é feita de escolhas amigo fiel leitor.. quem quer se dar bem na vida tem q começar a se virar desde ONTEM pra primeiro se dar bem nos estudos e garantir uma boa formação, um bom emprego, casa, carro, iate, jet-ski, helicoptero…..(aproveita q sonhar ainda é de graça) e ser feliz!

Lembrando CLARAMENTE que hoje em dia, atualmente, nos dias de hoje, Today nem todo mundo consegue alcançar seus objetivos até o fim da Vida, portanto considere-se sempre um VENCEDOR porque a vida é CRU e a verdade é ÁCIDA!
“VENCER VENCER VENCER!” apenas um pedaço do Hino do Flamengo já relata que mesmo sendo totalmente OTIMISTA , e a população sendo mais de 60% flamenguista, a vida desgraçada do Favelado continua a mesma. Portanto não use somente as palavras, faça delas um dilema  para crescer na vida.

Estou indo meus caro, não estou de férias eternas como alguns de meus amigos milionários, mas sinto o mesmo conforto ao fim do expediente (22 horas) e chego em casa para descansar e seguir minha vida adrenalínicamente estável.

Felicidade não é uma opção pessoal é um estado de espírito. Lembrem-se disso.

A verdade sobre todas as coisas.

Imagem

A verdade sobre todas as coisas.

Estava frio, chovendo, constantemente alguém pairava sobre aquela região, apesar de monótona. Tinha uma cadeira, parecia aquelas relíquias do século XV com um detalhe morbido do renascimento.
Às vezes era seco, às vezes o vento falava molhado, soava como uma garoa… ah… bons tempos.

A cadeira balançava de vez em sempre, ou quando alguém a usava ou quando o vento soprava, mas ela sempre balançava.

A verdadeira nostalgia nunca foi o momento em que você lembrara daquele momento marcante ou relutante, mas sim da maneira como os sentimentos de tal lembraça recortavam a alma, dilacerando-a com uma certa fadiga emocional.

Que dorzinha boa de se sentir, ah… bons tempos.

Bons tempos eram aqueles que a responsabilidade não fazia parte do cotidiano.
Dos momentos em que durmir era prioridade fundamental e comer era obrigação hitleriana.

Bons tempos foram, são e serão tudo aquilo que você aproveitar com o coração.
Bons tempos não se trata de lugar ou local, mas sim do estado da sua alma.
Eu gostaria de vender bons tempos para as pessoas. A preços nostálgicos de irresistir!

Uma noite estranha..

Imagem

Não sei que horas era, era de madruga, de dia, ou de noite, não sei, simplesmente não sei !! PAAAAAARA! PAAAAARA! Não sei… Quando acordei estava nesta mesa muito gelada por sinal, parecendo que estava dentro da minha espinha, olhei ao redor e só tinha luz, muita luz, não conseguia enxergar nada e eu não conseguia me mexer direito, então ouviu uma voz do lado direito dizendo:
– ~çfãçsdãçsfoç~s~~pf~çsdçs~~~p   ~pfsãs~p~~ ´f[a´[dsofsdp fdçslk /fwerwe ]~´p] ]~f´]~~ç;~]  ~]çf]açsdfa]   ]ç~ç ??

Quando percebi era dois homenzinhos pequeninos com olhos super arregalados, eu vi que tinha uma sonda na minha barriga, a mesa estava em pé, uma dor de cabeça latejando esquisitamente e quando me viram acordado rapidamente os vultos começaram a me espetar com alguma coisa, fiquei assustado e comecei a sentir sonolência denovo.. Foi então NESTA HORA que ouvi um estrondo e de repente tudo começou a chacoalhar e abriu um buraco no teto e percebi que estávamos em  uma nave!

A força foi tão forte que a luz do fundo da sala apagou e eu consegui ver direito o recinto, e a galera começou a ser jogada pra fora da nave por causa da pressão do ar e eu percebi que o teto era o oceano, ou seja, estávamos de cabeça pra baixo dentro da nave, que loucura!! Aí foi sinistro, entrou pelo buraco 3 seres com vários braços e pernas, pareciam aranhas, mas estavam de preto, usando uma roupa preta, olhos gigantes também, mas cabeça mediana e vieram em minha direção, rapidamente me tiraram da maca(eu tava nu, completamente nu e erecto(deve ser o remédio, um calor fora do comum).) e colocaram um peixe no meu ouvido!!! RAPAIZ!! Achei que era o mochileiro das Galáxias, na versão PE-LA-DA! Mas foi sinistro!

É ISSO MESMO! Achei que era piada, mas o peixinho entrou e eu senti uma ardência como se tivesse entrando água no ouvido, aquela coceirinha sabe? pois é.. aí eu comecei a ter uma forte dor de cabeça mas eu conseguia entender o que eles estavam falando, e pensando também.

Foi quando o – “f]~pasdfd~pas f~]açs~p pfdasdf~]sp  çãsd]f~dfaspa~]spas~fs ]~fdspasdfãspdasf~pasd~fsdfps” virou :

– ” Clatoplos, kai in dom cóvá naguiste zá arc du ram!

E o outro: ” Nai nó nu ne níí chan tí, dü kátáa EeR kam Wee Bikam.”

Eles saíram da nave e eu vi uma forte luz, acho que era o sol, pois estava a arder a minha pele, e o ar estava muito rarefeito, custei respirar, ao olhar ao redor eu vi nada, não sei o que vi, não lembro direito, eu tento escrever o que eu vi, mas não sai em palavras! Eu TENTO mas não consigo, (I Can’t motherfucker!!”), era o … a… o … é… não sai! Sorry!

Então, foi sinistro, sem falar do frio, mas tinha uma bolha invisível nos protegendo, porque eu olhava e observava várias coisas batendo neste campo invisível e a gente atravessando as nuvens, rochas, larva, era tudo tão rápido, piscando, eu não tinha noção de onde tava, mas a gravidade era boa, não me deu crise de labirintite hora alguma.E de repente!! A …

Duas Luas

Image

Ultimamente eu ando estranho. Acho que é decorrência da ausência de exercícios físicos, ando sentido um choque em meu joelho direito quando estou andando de bicicleta, mas isto não vem ao caso agora. Estou dormindo mal ultimamente, ando acordando a noite e perdendo o sono. Quando me vejo estou na cozinha, com a geladeira aberta. Os sonhos são sempre iguais.. me vejo em um lugar grande, vasto e que me perco o olhar no Horizonte.
Vejo um cara pequeno no campo, um anão com aqueles chapéus gigantes de japoneses e não consigo ver o seu rosto.. e no meio do campo onde ele passa as mãos as cores da vegetação vão mudando para amarelo(elas eram meio verde esmeralda).

No céu tem duas luas que fazem o dia brilhar como se fosse o sol, é como se você não vesse o sol em dia normal, mas a luz vem dessas luas(tipo, você pode olhar pro brilho delas direto sem os olhos arderem).

E eu vejo um andarilho numa estrada de terra, um senhor muito grande, de quase 4 metros de vestimenta preta, parecendo um monge, porém ele não sai da estrada(Não entra na vegetação), ele tenta entrar mas não entra por algum motivo.
Quando olho para trás vejo uma enorme torre, toda de vidro, um vidro brilhoso com algumas partes foscas. Uma torre tão grande que se perde nas nuvens.

O ar é gostoso de se respirar, você não sente fadiga em momento algum, lembro que eu corria por horas sem me cansar.

E chego embaixo desta enorme árvore, que tem uma sombra gigantesca e aos pés dela eu vejo outro anão com chapéu gigante de japonês… e novamente não consigo ver seu rosto. Só que este é diferente, eles tá com uma vestimenta meio azulada, da cor do mar do Caribe e estava conversando com um ser transparente, que também não conseguia ver seu resto, mas era muito grande também. eu disse que era transparente porque eu conseguia ver a árvore através dele.

O interessante é que eles não me viam.

E a língua que falavam eu não entendia nada, até que qdo o ser transparente foi embora, o anão da árvore falou em meu idioma: “Você não deveria estar aqui, isso é além da sua compreensão, não sei quem é você, nem de onde vem, mas você não deveria estar aqui.”

E então eu fui saindo de fininho, porque a voz dele era muito estranha, parecia várias crianças falando ao mesmo tempo, quando comecei a ir em sentido a estrada, o gigante de vestimenta preta sentiu minha presença e começou a me farejar, mas ele não entrava na vegetação.. mas sabia que eu tava ali. Acho que farejava meu medo, porque eu não sabia aonde tava. Acho que ele farejava a falta de conhecimento, sei lá.

 E eu,  ao olhar para o lado encontrei uma geladeira.. e fui em direção a ela no meio do mato. Ao abri-la eu acordei… e estava lá em casa, com a geladeira aberta e uma garrafinha de água na mão. Soltei a garrafa assustado, sorte que era de plástico.