Autônomo

Portada_Poeta_780x350

Vides a vida como é
Infinito ser, como sou
Tendes a tornar o que cativas
A maneira que o mundo lhe vê

Posso não ser poeta, escritor
Banco o sabichão imutável
Não rimo às vezes, rindo.
Tudo aquilo que acho teor.

Despertei em mim o universo
Aquele distinto, coisa de maluco
A brisa das escolhas me perseguem
Destino? Não, não acredito.

Força de vontade, talvez.
Mas escolhas definem caminhos
Espero que não morremos sozinhos
E apostar tudo de uma vez.

Colecionava amigos por caráter
Hoje vejo a verdade das coisas
É deixado para trás aquilo que não importa
Escolhas fecha e abre porta.

Autêntico, autônomo e distinto
Qual o nome daquela loja em Veneza?
Com um sucinto vinho tinto
Desfrutando da vida, quanta beleza!

Natureza Poética

“A arte não é um espelho para refletir o mundo, mas um martelo para forjá-lo”

fds(Vladimir Maiakovski)

Não se perca!

fds.jpegO que tem de ser, tem muita força. Ninguém precisa se assustar com a distância, os afastamentos que acontecem. Tudo volta! E voltam mais bonitas, mais maduras, voltam quando tem de voltar, voltam quando é pra ser. Acontece que entre o ainda-não-é-hora e nossa-hora-chegou, muita gente se perde. Não se perca, viu?

Assim

assim.png“Eu sou assim. Nada de meias-palavras. Sem restrições. Sem frases cortadas. Sem censura. Tenho um coração maior do que eu, nunca sei minha altura, tenho o tamanho de um sonho. E o sonho escreve a minha vida que às vezes eu risco, rabisco, embolo e jogo debaixo da cama (pra descansar a alma e dormir sossegada). O que importa é o que faz os meus olhos brilharem, o coração bater forte, o sorriso saltar da cara…”

A vida é feita pra somar

felicidade.jpg“Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa:

”Ah, terminei o namoro…” ‘Nossa, quanto tempo?’ ”Cinco anos… Mas não deu certo… Acabou.” É, não deu…? Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou. E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.

Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam. Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro. E não temos esta coisa completa. Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama. Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador. Às vezes ela é malhada, mas não é sensível. Tudo nós não temos. Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele. Pele é um bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia. E as vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona…Acho que o beijo é importante…e se o beijo bate…se joga…senão bate…mais um Martini, por favor…e vá dar uma volta. Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não lute, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presença. O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa realmente gostar, ela volta. Nada de drama. Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família?O legal é alguém que está com você por você. E vice versa. Não fique com alguém por dó também. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento. Tem gente que pula de um romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia? Gostar dói. Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração. Faz parte.

Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo. E nem sempre as coisas saem como você quer… A pior coisa é gente que tem medo de se envolver. Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível. Na vida e no amor, não temos garantias. E nem todo sexo bom é para namorar. Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear. Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.

Enfim… Quem disse que ser adulto é fácil?”

Beamship, viagens e andróides

pleiadesMeier não desistiu de sua extrema vontade em saber mais sobre os aliens, e os pleiadianos a que Semjase estava subordinada concordaram em dar a ele explicações. Falaram sobre a intrigante operação das beamships. Explicaram que “eles” não chamam as suas naves de UFOs, mas usam a palavra beamship. Disseram que isso se deve ao conceito de propulsão diferenciada da nave, e explicaram melhor o que lhe haviam dito antes.

Voltaram a afirmar, mas dando outros detalhes, que as naves são equipadas com dois sistemas de acionamento: um para velocidades até a da luz e outro para acima dela; a viagem à Terra leva ao todo sete horas. Explicaram que demora três horas e meia para atingir a velocidade da luz. Em seguida, há um salto através de um tempo-nulo, e depois, mais três horas e meia para entrar na atmosfera da Terra.

Inicialmente, os controles da viagem criam uma capa de proteção que envolve a nave, e esse escudo é também usado para proteção em planetas hostis. Para fazer o salto no hiperespaço, os mecanismos causam uma dilatação do tempo. Neste ponto, a nossa teoria da relatividade estaciona. No exato momento da dilatação do tempo, abre-se uma porta no hiperespaço. À medida que a nave se aproxima da velocidade da luz, as telas de proteção são eliminadas, permitindo o alargamento da massa, a qual se torna um catalisador no processo que facilita a transformação da matéria da nave para o que “eles” chamam de “matéria fina”. A nave então se move no hiperespaço de tempo-nulo. Em seguida, decorrem três horas e meia para desacelerar e voar para o nosso sistema. Seu ponto de ingresso deve ser a 153 milhões de quilômetros longe do corpo planetário mais próximo ou do Sistema Solar, ponto em que há o salto do hiperespaço.

Explicaram que dentro de uma grande nave-mãe das Plêiades, no seu centro de comando, há centenas de andróides, ou seja, robôs com inteligência artificial para auxiliar o controle da nave. Os andróides são criados organicamente por cientistas pleiadianos para executar tarefas específicas. Eles não têm um espírito como os seres humanos, mas são dotados de grande inteligência, programados para fazer determinadas funções. A maioria das funções na nave é operada por andróides, uma vez que elas estão bem adequadas para esse tipo de trabalho.

Disseram que os andróides orgânicos podem permanecer “vivos”, ou seja, “operando”, por longo período de tempo; estão livres de doença e podem ser programados para qualquer tipo de trabalho, variando o caráter e a personalidade. São usados, também, por toda a sociedade pleiadiana, para executar a maior parte do trabalho manual ou técnico, porque podem ser programados e usam de inteligência muito avançada.

Os andróides não estão dotados de computadores próprios, mas seus cérebros funcionam também como extensão da memória de um computador maior, funcionando como entidades periféricas. São feitos de material orgânico, obtido do material físico humano cultivado pelos cientistas. Por razões espirituais, os pleiadianos rejeitaram a ideia de clonagem humana; em vez disso, desenvolveram o conceito de computador para esse tipo de tecnologia andróide.

Impermanência

impermanecnai.jpgHá milhares de anos, alguém criou o princípio da impermanência. A beleza que há na inevitabilidade das mudanças. Ele devia ter acabado de levar um fora. Tive um bom tempo para pensar sobre o valor da memória, e só porque uma coisa não é para sempre não significa que ela é menor…
Talvez fosse só uma racionalização. Melhor que se lamentar por algo que poderia ter sido, por uma vida não vivida. Eu, com certeza, não sei. Mas escolhi acreditar na memória. Escolhi acreditar nela. Escolhi acreditar que o vínculo jamais se quebra, e que temos um ao outro em nossos corações, como uma particularidade secreta. Ela me tornou um escritor, me tornou um Homem. Haveria outros amores, até amores grandes, mas ela tinha razão: só um permanece perfeito.