Quem toma café vive mais

<> on January 24, 2011 in Berlin, Germany.
É o que mostra uma pesquisa realizada nos Estados Unidos com pouco mais de 400 mil pessoas. Em 14 anos de estudo, cientistas compararam a taxa de mortalidade de quem bebe café com aqueles que não bebem. Resultado: houve menos mortes entre os participantes que tomavam, pelo menos, 3 xícaras ao dia, do que aqueles que não tomavam café.

Quem bebe menos de 3 xícaras ganha uma vantagem ínfima sobre quem dispensa o café, quase irrelevante. Mas quem toma de 4 a 5 xícaras diariamente tem vantagem sobre todos. É a medida ideal. Homens que bebiam essa quantidade tinham até 12% menos chances de morrer; já as mulheres tinham mais 16% de chances de viver – sempre na comparação com quem não toma nada de café.

Para os mais viciados, que tomam 6 xícaras ou mais ao dia, as chances de morrer diminuem 10% neles e 15% nelas. Quem bebe de 2 a 3 xícaras, pode viver até 10%, se for homem, e 5%, se for mulher.

Apesar da associação positiva entre sobrevivência e consumo de café, os pesquisadores não garantem que o mérito de viver mais seja exclusivamente da bebida. “Não é possível concluir que essa relação entre consumo de café e mortalidade reflete causa e efeito”, diz Neal Freedman, chefe da pesquisa. “Mas podemos especular sobre os benefícios do café na saúde. Este estudo mostrou uma relação inversa entre o consumo da bebida e as mortes”. A pesquisa considerou todos os motivos de óbitos: desde derrames até infecções e diabetes.

Então, vai um cafezinho?

(Via Telegraph)

Crédito da foto: gettyimages

Anúncios

Não esqueça quem é você

vvvvEle tem 80 anos de idade e toma café da manhã todos os dias com sua esposa.

Eu perguntei: por que sua esposa está em casa de repouso?
Ele disse:
– Porque ela tem Alzheimer (perda de memória).

Eu perguntei: a sua esposa se preocupa e sempre te espera para ir tomar café com ela?

E ele respondeu:
– Ela não se lembra… Já não sabe quem eu sou, faz cinco anos, já não me reconhece.

Surpreso, eu disse:
– E ainda toma café da manhã com ela todas as manhãs, mesmo que ela não te reconheça?
O homem sorriu e olhou para os meus olhos e apertou minha mão.

Em seguida, disse:
– “Ela não sabe quem eu sou, mas eu sei quem ela é”.

A sua essência, seus princípios e seu caráter é o que realmente vale! Nunca se esqueça disso! Tenha sempre um propósito.

Fadiga Crônica

fahgAndo muito cansado, doutor. De manhã, para levantar da cama é o maior sacrifício. Mal chego no trabalho, já quero voltar para casa.

Cansaço é uma das cinco queixas mais frequentes dos que procuram os clínicos gerais. Nessas ocasiões, cabe ao médico encontrar uma causa que justifique a falta de disposição.

As mais comuns costumam ser:

* Doenças cardiovasculares (insuficiência cardíaca, arritmias, etc.);

* Doenças autoimunes (lúpus, polimiosite, etc.);

* Doenças pulmonares (enfisema, quadros infecciosos, etc.);

* Doenças endócrinas (hipotireoidismo, diabetes, etc.);

* Doenças musculares e neurológicas;

* Apneia do sono e narcolepsia;

* Abuso de álcool e outras drogas;

* Obesidade;

* Depressão e outros distúrbios psiquiátricos;

* Infecções;

* Tumores malignos.

A experiência mostra que contingente expressivo de pessoas que se queixam de cansaço, não se enquadra em nenhum desses diagnósticos. A tendência dos médicos nesses casos é atribuir a queixa às atribulações da vida moderna: noites mal-dormidas, alimentação inadequada, falta de atividade física, problemas psicológicos ou mera falta de vontade de trabalhar.

Alguns desses pacientes, no entanto, sentem-se muito mal, excessivamente cansados, incapazes de concentrar-se no trabalho e executar as tarefas diárias. Inconformados, fazem via sacra pelos consultórios atrás de um médico que leve a sério seus problemas, lhes ofereça uma esperança de melhora ou, pelo menos, uma explicação para o mal que os aflige.

São os portadores da síndrome da fadiga crônica, diagnosticada mais frequentemente em mulheres do que em homens.

Na maioria das vezes, a doença se instala insidiosamente depois de um episódio de  resfriado, gripe, sinusite ou outro processo infeccioso. Por razões desconhecidas, entretanto, a infecção vai embora, mas deixa em seu rasto sintomas de indisposição, fadiga e fraqueza muscular que melhoram, todavia retornam periodicamente, em ciclos, durante meses ou anos.

Como diferenciar esse estado de fadiga crônica, daqueles associados às solicitações da vida urbana?

Não há exames de laboratório específicos para identificar a fadiga crônica. De acordo com o International Chronic Fatique Syndrome Study Group, o critério para estabelecer o diagnóstico é o seguinte: considera-se portadora da síndrome toda pessoa com fadiga persistente, inexplicável por outras causas, que apresentar no mínimo quatro dos sintomas citados abaixo, por um período de pelo menos seis meses:

* Dor de garganta;

* Gânglios inflamados e dolorosos;

* Dores musculares;

* Dor em múltiplas articulações, sem sinais inflamatórios (vermelhidão e inchaço);

* Cefaleia com características diferentes das anteriores;

* Comprometimento substancial da memória recente ou da
concentração;

* Sono que não repousa;

* Fraqueza intensa que persiste por mais de 24 horas depois da atividade física.

Alguns estudos sugerem que predisposição genética, doenças infecciosas prévias, faixa etária, estresse e fatores ambientais tenham influência na história natural da enfermidade. Condições como hipoglicemia, anemia, pressão arterial baixa ou viroses misteriosas também são lembradas, mas a verdade é que as causas da síndrome da fadiga crônica são desconhecidas.

A evolução da doença é imprevisível. Às vezes, desaparece em pouco mais de seis meses, mas pode durar anos ou persistir pelo resto da vida.

A ignorância em relação às causas da síndrome, explica a  inexistência de tratamentos específicos para seus portadores. Os sintomas são passíveis de tratamentos paliativos, entretanto anti-inflamatórios são recomendados para as dores musculares ou articulares; drogas antidepressivas podem melhorar a qualidade do sono.

Mudanças de estilo de vida podem ser úteis. Os especialistas recomendam uma dieta equilibrada, uso moderado de álcool, exercícios regulares de acordo com a disposição física e a manutenção do equilíbrio emocional para controlar o estresse.

Reabilitação fisioterápica e condicionamento físico são fundamentais para a manutenção da atividade física e profissional.

Como em todas as doenças mal conhecidas, proliferam os assim chamados tratamentos naturalistas, alguns dos quais apregoam resultados milagrosos para a fadiga crônica. Infelizmente, não há qualquer evidência científica de que eles modifiquem a evolução da doença.

Retirado do (ARTIGOS DRAUZIO)

Preocupe-se consigo mesmo!

consgio mesmo

Você diz para cada um de seus sannyasins preocupar-se apenas consigo mesmo. E eles fazem isso!

Sim, eu digo isso: para preocupar-se apenas consigo mesmo, porque no momento essa deve ser a única preocupação. Se você começar a se preocupar com o mundo todo, você não será capaz de fazer nada.

Até mesmo preocupar-se consigo mesmo já é muito. Livrar-se dessas preocupações já é muito, é difícil. E se você estiver se preocupando com o mundo todo, então não haverá como sair disso. Então, você pode estar certo de que permanecerá sempre preocupado.

E não pense nem por um único momento que você está ajudando o mundo por preocupar-se com ele. Você não está ajudando o mundo preocupando-se com ele, porque a preocupação não pode ajudar ninguém. Ela é uma força destrutiva.

Assim, primeiro, reduza suas preocupações ao mínimo. Quer dizer, confine suas preocupações a si mesmo; já é o suficiente. Seja absolutamente egoísta. Sim, é isso que estou dizendo: seja absolutamente egoísta, se você quiser ajudar os outros algum dia. Se você, algum dia, quiser ser realmente altruísta, seja egoísta.

Primeiro mude o seu ser. Primeiro crie uma luz dentro do seu coração, torne-se luminoso. Então você poderá ajudar os outros. E você poderá ajudar sem se preocupar, pois a preocupação não ajuda ninguém.

Alguém está morrendo e você fica sentado a seu lado, preocupado. Como você vai ajudar? Se o paciente estiver morrendo e o médico ficar preocupado, não vai ajudar em nada. O quanto ele se preocupe não conta. Ele tem que fazer algo.

E quando um paciente está morrendo, é necessário um médico que saiba como não ficar preocupado. Somente então ele será de ajuda, porque somente então seu diagnóstico poderá ser mais claro, mais correto.

Eis porque, se você está doente e seu marido é um médico, ele não será de muita ajuda, porque ele estará muito preocupado com você. Alguém que seja imparcial é necessário.

Uma criança precisa de uma cirurgia. Seu próprio pai pode ser um grande cirurgião, mas ele não pode ter a permissão de operar a criança, porque ele estará demasiadamente preocupado. Suas mãos tremerão – seu próprio filho!

Ele não poderá ser apenas um observador; não poderá ser objetivo, estará demasiadamente envolvido. Ele matará a criança. Algum outro cirurgião é necessário, que possa permanecer imparcial, que possa permanecer distante, separado, afastado, não-preocupado.

Assim, se você quer ajudar a humanidade, primeiro torne-se despreocupado. E para se tornar despreocupado você, primeiro, tem de abandonar as preocupações desnecessárias. Não pense sobre o mundo.

(Osho, em “The Discipline of Transcendence”)

Mude sua mente!

mude sua mentePrimeiro você tem que abandonar as crenças de que todos já temos um destino traçado. Somos os criadores do nosso próprio destino, os mestres da nossa alma e os capitães do barco da nossa vida.

Abandone o papel de vítima e passe a agir por sua própria responsabilidade. Tudo de bom e de ruim que acontecer na sua vida é consequência das suas ações.

Quando você assumir essa responsabilidade não terá mais a quem culpar pelo que acontece na sua vida.

É importante destacar aqui que isso não é autoajuda, embora eu acredite que autoajuda é uma coisa boa, mesmo as pessoas sendo tão críticas quanto a essa maneira de influenciar as pessoas positivamente.

Tudo isso remete a mudar a sua percepção sobre realizar seus sonhos. Nenhum sonho é impossível e nada é ambicioso demais.

Algumas pessoas querem realizar grandes sonhos únicos, outros querem passar por experiências que outros já passaram. Todos dependem apenas de si mesmos para realizá-los, basta aprender a formar os hábitos que irão mudar a sua vida a partir de agora.

Pergunte a si mesmo o que é prioridade na sua vida e reprograme sua mente para sempre estar focada apenas no que é importante.

Uma maneira inteligente de aprender a atingir objetivos de vida é saber como pensam as pessoas que criaram suas próprias vidas.

Com a sua mente devidamente alterada para aceitar os grandes desafios que você vai querer vencer na sua vida, a partir de agora você estará pronto para executar as ações e formar os hábitos necessários para a realização dos seus objetivos.

“O pensamento é a fonte original de toda a riqueza, todo o sucesso, todo o ganho material, todas as grandes descobertas, invenções e de todas as realizações.” – Claude M. Bristol

Retirado do Hábitos Milionários.

10 Mandamentos para ser Auto Confiante! (parte 2)

 

2. EXPANDIR A SUA ZONA DE CONFORTO

2. EXPANDIR A SUA ZONA DE CONFORTO

A auto confiança pode beneficiar da experiência. Claro que também pode ser afetada por experiências negativas de vida, inibindo-nos os movimentos e as tomadas de iniciativa. Mesmo perante acontecimentos negativos de vida, ficar paralisado e optarmos pelo evitamento, só piora a situação em que nos encontramos. Se tem noção que a sua baixa auto confiança afeta-o no seu dia a dia, pondere expandir a sua zona de conforto. Faça um contrato com o seu passado, deixando-o onde ele pertence: no Passado. Depois disso, decida-se a avançar, decida-se a expandir a sua zona de conforto. proponha-se a experimentar coisas novas, coisas que lhe parecem ser difíceis de executar, e experimente fazer. Por cada uma que verificar que consegue ser bem sucedido a sua auto confiança agradece.

 Citação: Não é porque as coisas são difíceis que não ousamos, é porque não ousamos que elas são difíceis. – Lucius Annaeus Seneca.

 A auto confiança piora com o isolamento, com o evitamento das situações temidas e difíceis de realizar. A pessoa vai restringindo a sua vida, ao ponto de correr o risco de entrar numa espiral negativa, afetando até algumas das coisas que anteriormente se sentia confortável a fazer. Certamente, se você estiver evitando as situações que fazem você sentir-se desconfortável, nunca irá tornar-se confiante.

 Se melhorar a auto confiança é difícil para você, provavelmente é porque passou a evitar qualquer situação que poderia ajudá-lo a tornar-se mais confiante. Enfrente os seus medos e torne isso num hábito diário. Cada vez que você evita uma situação em que se sente inseguro, está basicamente dizendo: “Eu não quero ser confiante, prefiro ser tímido.”A escolha é sua!

10 Mandamentos para ser Auto Confiante! (parte 4)

 

4. INTERAGIR COM OS OUTROS

4. INTERAGIR COM OS OUTROS

 Uma das consequências da baixa auto confiança, como já vimos anteriormente é o evitamento das situações, tarefas ou coisas temidas. Esta forma de encarar o seu problema de auto confiança diminuída pode conduzi-lo a um outro problema de cariz social. Você pode começar a evitar interagir com os outros. Provavelmente devido à sua timidez, ao seu receio de não saber o que dizer ou como comportar-se. Isso vai minando a sua motivação para encontros sociais e eventualmente para possíveis relacionamentos.

O que deve evitar mesmo é tornar-se antissocial. Não estou a querer dizer que você se torna antissocial numa perspectiva hostil, mas sim porque evita a vergonha, o constrangimento e a crítica. Esforce-se por não alienar-se do mundo. As redes socais que proliferam na Internet por vezes podem contribuir para a desconexão com os outros. Gaste menos tempo no Facebook, menos tempo a ver televisão ou a navegar na internet, e aposte mais no mundo físico. Não pretendo menosprezar a utilidade da Internet como ótima ferramenta que é. Mas se você está a sofrer com a sua baixa auto confiança, este não é o momento apropriado para investir horas desmedidas atrás de um écran(tela de Computador, celular, televisão).

Ao invés de meter conversa com alguém no Facebook, obtenha o número do celular dessa pessoa, convide-o a sair e faça algo de divertido juntos. Seja criativo e faça coisas divertidas no mundo real. Torne a sua vida mais interessante e assim aumenta as possibilidades de trabalhar eficazmente na sua auto confiança.