Foco, força e fé 

A vida é sacrificio, fechar os olhos e se entregar
No ínicio é díficil, mas vai se acostumar
O sofá é um péssimo vício, vai te acomodar
Eu prefiro um precipício pra me ensinar a voar

Pra trás
Mais de 13 anos me esforçando demais
Enquanto uns tão falando
Disseram que era moda
E eu segui trabalhando
Os bico se incomoda
Porque a moda tá durando
Salve-se quem puder

Voltei com mais vontade, mostrei habilidade
Trazendo novidade, cheguei nessa cidade
Toquei seu coração, lutei pela cultura
Nessa vida dura e mantive os pés no chão

Ai que saudade dos tempos da central
Ouvindo um freestyle do Kamau
No bolso ninguém tinha um real
Mas tinha rap, os amigos e era fenomenal

Eu tenho muita saudade de vocês
E penso: Será que vai haver outra vez?
Um hip-hop com menos picuinha, com menos ladainha
E menos caras pensando que eles são reis

E mesmo se eu gaguejasse pra falar
Ou se eu errasse o português pra cantar
Ainda assim faria muito mais
Do que quem fala bonito mas só fala e não faz

Foco: um objetivo pra alcançar
Força: pra nunca desistir de lutar e
Fé: pra me manter de pé, enquanto eu puder
Haja o que houver, só preciso de
Foco: um objetivo pra alcançar
Força: pra nunca desistir de lutar e
Fé: pra me manter de pé, enquanto eu puder
Só preciso de foco, força e fé

Curto Charlie Sheen mas prefiro Sean Pean
Renato Russo e Elis também
Cresci entre Sabotage e Kurt Cobain
De resto não sei, mas de influência eu tô bem

Não sou o mais cangueiro, romântico também
Não tenho a melhor levada nem me acho flow man
Não sou o mais comentado, porém
Talvez eu seja o mais consciente
Que ninguém é mais que ninguém
Pois bem
A sorte foi lançada, a ultima jornada
Te vejo na chegada
Sei que cada pegada minha tem sangue e suor
Porque eu me preocupei em fazer bem
E não em ser melhor
Chega pra somar, ou então suma
Falar só por falar é mato, então resuma
Mas antes de falar de alguém assuma
Eu sei o que vocês fizeram verão passado
Porra nenhuma

A vida me encarou, tirou o véu
Tirei a vida pra dançar, fiz meu papel
Todos são comerciantes de baixo do céu
Pois vendem os seus sonhos pra pagar o aluguel
3 F’s suficiente pra dizer que o se o pulso ainda pulsa
A esperança vai viver
Aqui um em um milhão nasceu pra vencer
Mas nada impede que esse um seja você
E tudo que você precisa ter é

Foco: um objetivo pra alcançar
Força: pra nunca desistir de lutar e
Fé: pra me manter de pé enquanto eu puder
Haja o que houver, só preciso de
Foco: um objetivo pra alcançar
Força: pra nunca desistir de lutar e
Fé: pra me manter de pé enquanto eu puder
Só preciso de foco, força e fé

Anúncios

Subverso Universo


Você tem um dia pra agir,

Um destino a cada escolha,

Um enredo para cada história,

Uma perspectiva diferente todos os dias.

Você pode agradecer o dia de chuva

Ou detestá-lo amarguradamente 

E carregar contigo as cargas de sentimentos

Geradas em decorrência das suas escolhas.

A oração facilita a compreensão divina

Mas não te livra do pecado

Nem te abstêm de suas ações

As escolhas fazem de você

O que você é

Não o que o mundo quer

Ou sua mãe, emprego, amigos desejam

A verdade está disponível pra quem deseja ver

O sentimento está disponível pra quem deseja sentir

A vida está lá fora pra quem ousa acompanhá-la

Palavras que emanam poder

Sentimentos que exalam liberdade

Seres que emitem luz e radiam o nosso dia a dia

O tudo ou nada

Infinito

Paz

Cientistas da IBM criam neurônios artificiais que ‘pensam’ sozinhos

neuroniso

Em um estudo publicado nesta semana, pesquisadores da IBM revelaram a criação de um conjunto de mais de 500 neurônios artificiais, capazes de interpretar informações e aprender sozinhos. A descoberta deixa a empresa cada vez mais próxima de desenvolver um sistema computacional capaz de se comportar como o cérebro humano.

Os neurônios artificiais da IBM foram criados a partir de chamados materiais de mudança de fase – isto é, substâncias que podem existir em dois estados diferentes (gasoso e líquido, por exemplo) e trocar de um para o outro com facilidade. A combinação usada pelos cientistas é composta por germânio, antimônio e telúrio.

A material, denominado GST, pode alterar sua composição entre os estados cristalino e amorfo – isto é, sólido, mas sem forma definida. Na primeira fase, o GST (usado na membrana do neurônio artificial) funciona como um isolador de energia elétrica. Já na fase amorfa, o material consegue atuar como um condutor de eletricidade.

Desse modo, com uma membrana capaz de conduzir ou isolar eletricidade, o neurônio artificial pode realizar sinapses a base de impulsos de energia – assim como os neurônios no cérebro humano. Outra semelhança é que os neurônios criados pela IBM não trocam dados digitais, como arquivos de computador, mas apenas informações analógicas, como temperatura e movimento, e são tão pequenos quanto neruônios “de verdade”.

Aplicando-se uma fonte de calor a essa população de neurônios, as sinapses acontecem quase que naturalmente. É importante destacar, contudo, que a informação trocada entre elas é puramente aleatória, assim como no cérebro humano. Isso acontece devido ao ciclo de transformações do GST, que altera seu estado entre cristalino e amorfo sempre com alguma diferença. Os cientistas nunca sabem quando uma sinapse será realizada ou entre quais neurônios.

O que torna a descoberta ainda mais impactante é sua eficiência: os materiais usados na criação dos neurônios são facilmente encontrados na natureza ou na indústria; cada célula exige muito pouca energia para operar; a quantidade de informação processada é muito grande, enquanto o processamento é rápido; e tudo isso funciona num espaço físico bem reduzido, em vez de ocupar enormes edifícios repletos de servidores, como os data centers modernos.

Embora esses neurônios ainda não estejam prontos para serem usados em robôs como os de filmes de ficção científica, possíveis aplicações já estão sendo estudadas. O “mini cérebro artificial” da IBM poderia, por exemplo, ajudar na detecção de fenômenos naturais, como terremotos e tsunamis, ou até em sistemas de previsão do tempo mais precisos.

Em teoria, nada impede que esses neurônios sejam usados na fabricação de processadores de computador que tornem PCs, aplicativos ou qualquer dispositivo eletrônico bem mais inteligente, nos aproximando da mítica singularidade. O desafio, porém, ainda é desenvolver o código de software capaz de interpretar as informações analógicas de um “cérebro” como esse.

Via Ars Technica