Família

divertida-mente-2

O amor, o afeto e a paz eram 3 irmãs
Que viviam felizes e em sintonia harmoniosa
Com uma ligação tão forte quando um imã
E reinavam de uma forma gostosa

O afeto era o mais comunicativo
Solto, se apegava mais as pessoas
Era muito extrovertido e ativo
Além de simpático, tinha ideias boas

A paz era a mais reservada, rígida e centrada
Evitava qualquer desavença, às vezes até concordava
Com algo que não gostava, para já ter uma resposta dada
Sem criar uma discussão, onde a felicidade reinava

O amor era o mais cuidadoso, um típico sincero
Vivia pelos outros, era liberal e um verdadeiro lutador
Dizia: “Um dia eu conquisto todos do mundo, assim espero”
E às vezes, por ser ele mesmo, não deixava ser tomado pela dor

E o mundo em que viviam existia outros parentes
Dos primos Ódio e Raiva até os tios Calma e Ansiedade
Sem falar de outros inúmeros que se alternam entre os entes
Era uma grande família, uma fraternidade.

É a vaidade e não o prazer que nos interessa

vaidade

Qual a finalidade da avareza e da ambição, da busca de riqueza, poder e preeminência? Será para suprir as necessidades da natureza? O salário do mais pobre trabalhador pode supri-las. Vemos que esse salário lhe permite ter comida e roupas, o conforto de uma casa e de uma família. Se examinássemos a sua economia com rigor, constataríamos que ele gasta grande parte do que ganha com conveniências que podem ser consideradas supérfluas. […] Qual é, então, a causa da nossa aversão à sua situação, e por que os que foram educados nas camadas mais elevadas consideram pior que a morte serem reduzidos a viver, mesmo sem trabalhar, compartilhando com ele a mesma comida simples, a habitar o mesmo tecto modesto e a vestir-se com os mesmos trajes humildes? Por acaso imaginam que têm um estômago superior ou que dormem melhor num palácio do que numa cabana? [… ] De onde, portanto, nasce a emulação que permeia todas as diferentes classes de homens, e quais são as vantagens que pretendemos com esse grande propósito da vida humana a que chamamos melhorar nossa condição? Ser notado, ser ouvido, ser tratado com simpatia e afabilidade e ser visto com aprovação são todas as vantagens que se pode pretender obter com isso. É a vaidade, e não a tranquilidade ou o prazer, que nos interessa. Mas a vaidade sempre tem por base a convicção de sermos objecto de atenção e aprovação. O homem rico deleita-se com as suas riquezas por julgar que elas naturalmente lhe atraem a atenção do mundo e que os homens estão dispostos a acompanhá-lo em todas as agradáveis emoções que as vantagens da sua situação tão prontamente inspiram a ele. Quando tal pensamento lhe ocorre, o seu coração parece crescer e dilatar-se dentro do peito, e ele aprecia a sua riqueza mais por esse motivo do que por todas as outras vantagens que ela lhe traz.

(A Teoria dos Sentimentos Morais)

Recíproco

eles“Eu me arrastei como tenho feito toda a minha vida…indo atrás das pessoas que me interessam. Pois os únicos que me interessam são os loucos. Os que estão loucos para viver, loucos para falar. Que querem tudo ao mesmo tempo. Aqueles que nunca bocejam e jamais falam obviedades. Mas queimam, queimam, queimam como fogos de artifício no meio da noite. “