Loucura

Image

A loucura tem sido percebida de diferentes formas ao longo da história. Se na Antiguidade foi concebida como manifestação divina e na Idade média como resultante de possessões demoníacas, no Século XVIII ganha status de doença mental, passando a exigir mecanismos segregadores e excludentes de tratamento, culminando com o surgimento do hospital psiquiátrico. Somente após a II Guerra Mundial é que podemos observar movimentos que tentaram reformular as práticas dominantes e oferecer uma nova perspectiva de tratamento ao transtorno mental.

Nesse contexto destaca-se a Psiquiatria Democrática Italiana, que influenciou de forma decisiva a Reforma Psiquiátrica Brasileira. No Brasil o movimento em busca de uma reestruturação do atendimento em Saúde Mental inicia-se a partir da década de 70, onde constatamos o surgimento de inúmeros serviços substitutivos como os CAPS e de outros dispositivos tais como as Residências Terapêuticas, o Programa de Volta pra Casa e outros, que têm como objetivos promover a autonomia e o resgate da cidadania do portador de transtorno mental. Em Campina Grande o movimento da Reforma Psiquiátrica ganhou ênfase a partir da Intervenção Federal decretada num dos hospitais psiquiátricos da cidade, culminando no seu descrendenciamento do SUS, no seu fechamento e no fortalecimento de uma rede substitutiva de Saúde Mental. Neste trabalho realiza-se um estudo sobre a concepção dos usuários e familiares acerca de conceitos como cidadania e saúde mental, destacando-se alguns temas como participação familiar, atendimento oferecido no CAPS, caracterização do hospital psiquiátrico e o estigma e preconceito que cercam a doença mental. Foram entrevistados para esta pesquisa 15 usuários e 15 familiares de um CAPS-Centro de Atenção Psicossocial de Campina Grande-PB.

O material resultante das entrevistas, gerado a partir de um roteiro de entrevista semi-estruturada, foi gravado e transcrito na íntegra e analisado com base nos pressupostos da Psicologia Social Discursiva. No que se refere às discussões dos resultados podemos evidenciar que dentre as explicações dadas pelos entrevistados sobre o transtorno mental destacam-se as causas biológicas, psicossociais, sócio-econômicas e psicológicas.

Ao conceituar o transtorno mental foi marcante no discurso dos entrevistados a descrição da sintomatologia da doença e das situações de crise. A importância da participação familiar também foi mencionada pelos entrevistados ao avaliarem a norma de funcionamento do CAPS que exige a participação no Grupo de família.

De suma importância foram os relatos dos entrevistados sobre o atendimento no CAPS e suas caracterizações sobre o tratamento oferecido no hospital psiquiátrico, onde na totalidade da amostra o CAPS teve uma avaliação positiva do funcionamento e aspectos tais como medicação excessiva e isolamento familiar foram citados sobre a internação psiquiátrica. No que se refere à cidadania ressaltamos que para grande parte dos entrevistados este conceito está atrelado à aquisição de documentos e ao ato de votar, destacando–se em seguida a concepção da cidadania ligada à ações de solidariedade e auxílio a os necessitados, ao direito de ser atendido num serviço de saúde,sendo marcantes os discursos que abordam o preconceito e estigma dos quais os portadores de transtornos mentais são alvos.

Retirado( PALAVRAS-CHAVE: Discurso, Saúde Mental, Reforma Psiquiátrica)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA
MESTRADO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE COLETIVA
(Lívia Sales Cirilo)
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s